Clube

22 fevereiro 2021, 18h17

Pedro Rocha e Silva, CEO da Neves de Almeida HR Consulting, e Luísa Ramos, diretora de Recursos Humanos do SL Benfica

O Sport Lisboa e Benfica recebeu, nesta segunda-feira, o Prémio Índice de Excelência, ficando no 1.º lugar no ranking das Grandes Empresas e alcançando ainda o Prémio sectorial de Hotelaria, Turismo, Desporto e Ensino.

Este prémio, que resulta do estudo de clima organizacional desenvolvido pela empresa Neves de Almeida HR Consulting (em parceria com a Human Resources Portugal, a Executive Digest e o ISCTE Executive Education), é o reconhecimento da excelência da Gestão dos Recursos Humanos do Grupo Benfica, distinguindo-se como empresa de topo e refletindo a qualidade do clima organizacional e desenvolvimento do capital humano do Clube.

"É com enorme satisfação e orgulho que recebemos esta distinção! Se em 2018 dizíamos que o 5.º lugar alcançado era uma excelente prova da confiança que as nossas pessoas depositam nas práticas de Gestão de Recursos Humanos do Grupo Benfica, sendo um incentivo enorme para continuarmos a consolidar o nosso caminho, agora tal distinção é um claro reconhecimento dos mais de 500 colaboradores do trabalho que todos temos vindo a desenvolver", afirmou Luísa Ramos, diretora de Recursos Humanos do SL Benfica.

Luísa Ramos e Pedro Rocha e Silva

"Este prémio é, em primeiro lugar, de todos os colaboradores do Grupo Benfica, aos quais agradeço todo o seu envolvimento e o facto de terem respondido ao estudo. Agradeço também à administração do Grupo Benfica pelas oportunidades que nos tem dado ao longo do tempo para podermos criar e desenvolver. E agradeço ainda à minha equipa de Recursos Humanos por todo o trabalho que tem vindo a desenvolver e por todo o seu compromisso com as nossas práticas", comentou Luísa Ramos, em declarações à BTV.

"Temos vindo a crescer ao longo do tempo, cada vez mais percebemos que o caminho que seguimos é o correto. Isto é um ponto de partida, há sempre muitas melhorias para implementar. A excelência atinge-se precisamente com a evolução e com as melhorias que vamos implementando, mas claro que estaremos sempre na linha da frente para cada vez mais conseguirmos obter resultados com maior índice de satisfação por parte das nossas pessoas, que são o core business dos Recursos Humanos, é para elas que trabalhamos", vincou a diretora de Recursos Humanos do Clube.

"Para continuarmos a ser uma organização de sucesso é importante continuarmos a ajudar as nossas pessoas no seu percurso de desenvolvimento e evolução e incentivarmo-las a reinventarem-se e a serem agentes da mudança, características fundamentais para ultrapassarmos com sucesso as adversidades que a pandemia nos tem colocado", concluiu Luísa Ramos.

O Índice da Excelência, lembre-se, tem como principal objetivo analisar as práticas de Recursos Humanos vigentes e permite uma comparação com o benchmark, tornando-se uma importante ferramenta de gestão para as organizações participantes.

Luísa Ramos e Pedro Rocha e Silva

Em representação da empresa Neves de Almeida HR Consulting, entidade responsável pela atribuição do prémio, Pedro Rocha e Silva explicou as bases em que esta distinção assenta.

"Há vários critérios que determinam os scores e a pontuação global que estão por detrás dos rankings apurados, onde o Benfica ficou no primeiro lugar das Grandes Empresas. O principal critério tem a ver com a satisfação dos colaboradores que trabalham no Clube face a um conjunto de temas. O segundo diz respeito ao nível de engagement e de compromisso revelado por quem aqui trabalha para com a organização e nas funções que desempenha. Um terceiro critério relaciona-se com o nível de adesão das pessoas ao estudo, o que para nós é um indicador da saúde organizacional, e um quarto critério, com menos peso, tem a ver com uma análise externa, feita pela consultora, relativamente a uma série de práticas que a organização revela possuir e que fundamenta tudo o que é feito internamente", detalhou o CEO da Neves de Almeida HR Consulting.

"É importante estarmos a associados a todas as grandes organizações, e quando digo grandes não me refiro apenas à dimensão, pois este estudo premeia e distingue desde organizações de elevada dimensão até médias e pequenas empresas. A grandeza tem a ver com a qualidade das práticas de gestão que têm internamente, nomeadamente na gestão de pessoas", observou ainda Pedro Rocha e Silva, à BTV.

Fotos: Cátia Luís / SL Benfica
Última atualização: 22 de fevereiro de 2021

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar